Olá!

Entrei para a publicidade em 87, em São Paulo, anos dourados

da publicidade brasileira, inicialmente no estúdio em meio à muita fotoletra e cola benzina até chegar à criação.  Apaixonei-me pela profissão.

Na época, os papas da publicidade estavam em plena atividade, e para um iniciante recém-chegado do interior foi muito estimulante estar no meio e acompanhar gigantes da criação e suas campanhas geniais.

De lá pra cá.

Vivenciei os efeitos da evolução digital e as transformações meteóricas na maneira de fazer comunicação dentro e fora das agências da Capital e do Interior de São Paulo. Fiz grandes amigos, profissionais de peso e novos talentos, ganhamos prêmios. Essa experiência dá um livro.

A publicidade mudou, ficou mais rápida, mais acessível, mais socialmente responsável, mais assertiva, mais econômica, mas infelizmente menos poética, menos brilhante. Talvez tenhamos subestimado a importância da arte e da criatividade, tão essenciais na vida de marcas e produtos que permeiam nosso dia a dia. Cabe-nos agora rever alguns valores, somos ricos culturalmente e não nos falta talento, então mãos à obra.

 

                                                                            Luis Prado Castel